A SINDROME DE SJÖGREN

A SINDROME DE SJÖGREN



A Síndrome de Sjögren é uma doença autoimune crônica, em que o sistema imunológico do próprio corpo do paciente erroneamente ataca as glândulas produtoras de lágrimas e saliva. Os linfócitos infiltram-se por estas glândulas provocando diminuição da produção de saliva e lágrimas. Características principais: secura nos olhos e na boca. Pode também causar secura de pele, nariz e vagina e pode afetar órgãos do corpo, inclusive os rins, vasos sangüíneos, pulmões, fígado, pâncreas e cérebro. Fadiga e dor nas articulações podem comprometer de forma significativa a qualidade de vida do paciente.

Estima-se que quatro milhões de americanos tenham a Síndrome de Sjögren, muitos deles sem diagnóstico. Nove entre dez pessoas com Sjögren são mulheres. Embora a maioria das mulheres diagnosticadas costume estar na menopausa ou ainda com mais idade, a Síndrome de Sjögren pode ocorrer também em crianças e adolescentes. Mulheres jovens com Sjörgren podem apresentar complicações na gravidez.

No Brasil, não se sabe o número exato de portadores da Síndrome de Sjögren. A causa ou causas específicas da (SS) não são conhecidas, mas múltiplos fatores provavelmente estão envolvidos, dentre os quais os genéticos, viróticos, hormonais ou suas interações.




Síndrome de Sjögren primária ou secundária:

Primária: ocorre de forma isolada, se há presença de outra doença de tecido conjuntivo.

Secundária: os sintomas são acompanhados de uma doença do tecido conjuntivo como artrite reumatóide, lupus ou esclerodermia.



FONTE: http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/13304




sexta-feira, 29 de julho de 2016

ATAQUE (Não é terrorismo)

Arquivo Google
Quem me conhece e acompanha sabe o quanto minimizo as dores da Sindrome de Sjögren, Artrite e da Fibromialgia - sim, eu fui premiada com as três.
Até porque, dizer que estou "morrendo" de dor não me traz qualquer alívio.
Mas, nesta semana em especial, a coisa ficou feia, ou, "o bicho pegou" - como preferirem.
O Ateliê esteve fervendo. Além dos trabalhos normais, peguei uma encomenda de última hora.
Nove peças para um quarto de bebê. Mil detalhes.
E exatamente nos ultimos dias, depois de ficar sem energia elétrica, de ter que sair inesperadamente e dos netos estarem de férias, a dor chegou sem convite.
Achei que ia endoidar. Pensei em ir ao hospital, tomar uma dose cavalar de remédios para dor, deitar na cama e dormir sem hora para acordar... mas não era possível...
"Dor da ponta dos pés ao último fio de cabelo" !!!
Já ouvi e li esta expressão muitas vezes. Até já achei impossível tanta dor assim. Exagero de gente fresca. Putz... aconteceu comigo...
Fiz alongamentos, Pilates, até comi doce para ver se me distria... e a dor não ia embora...
Cumpriu seu ciclo... doeu, doeu e de repente desapareceu...
Eu fiquei me sentindo um lixo. Sem forças e sem vontade de me mexer.
Que loucura!
Ainda bem que não acontece todos os dias.
A gente fica moída, como se tivesse passado por um moedor de carne, como se uma carreta bitrem tivesse passado por cima de cada articulação. Demora um pouco a voltar ao normal.
Conto isso, não para fazer terrorismo, não para que me achem coitadinha, mas para dizer que a gente consegue superar, embora no momento em que acontece a vontade é entregar os pontos.
"Dor compartihada é dor diminuida." Falem dela. Não deixem que a dor cale vocês.
Beijos. Fiquem bem. Neli Alves

Comentários
3 Comentários

3 comentários :

Roselia Bezerra disse...

Boa noite, querida Neli!
Quando a gente consegue falar da dor é porque não doi mais, segundo os psicólogos...
Bjm muito fraterno

Neli Alves disse...

Obrigada, flor.

Ane Cristina Coelho disse...

Estou nesse momento,DorDorDor.