A SINDROME DE SJÖGREN

A SINDROME DE SJÖGREN



A Síndrome de Sjögren é uma doença autoimune crônica, em que o sistema imunológico do próprio corpo do paciente erroneamente ataca as glândulas produtoras de lágrimas e saliva. Os linfócitos infiltram-se por estas glândulas provocando diminuição da produção de saliva e lágrimas. Características principais: secura nos olhos e na boca. Pode também causar secura de pele, nariz e vagina e pode afetar órgãos do corpo, inclusive os rins, vasos sangüíneos, pulmões, fígado, pâncreas e cérebro. Fadiga e dor nas articulações podem comprometer de forma significativa a qualidade de vida do paciente.

Estima-se que quatro milhões de americanos tenham a Síndrome de Sjögren, muitos deles sem diagnóstico. Nove entre dez pessoas com Sjögren são mulheres. Embora a maioria das mulheres diagnosticadas costume estar na menopausa ou ainda com mais idade, a Síndrome de Sjögren pode ocorrer também em crianças e adolescentes. Mulheres jovens com Sjörgren podem apresentar complicações na gravidez.

No Brasil, não se sabe o número exato de portadores da Síndrome de Sjögren. A causa ou causas específicas da (SS) não são conhecidas, mas múltiplos fatores provavelmente estão envolvidos, dentre os quais os genéticos, viróticos, hormonais ou suas interações.




Síndrome de Sjögren primária ou secundária:

Primária: ocorre de forma isolada, se há presença de outra doença de tecido conjuntivo.

Secundária: os sintomas são acompanhados de uma doença do tecido conjuntivo como artrite reumatóide, lupus ou esclerodermia.



FONTE: http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/13304




quarta-feira, 19 de outubro de 2016

PRIMAVERA. CALOR E DORES

Arquivo Google
Hoje, durante a aula de Pilates, minhas amigas e eu falávamos sobre o calor e como as dores ficam amenizadas. Nos períodos mais frios, tudo parece doer mais.
De repente, uma ficha caiu!
Não melhorei por causa do calor, e sim, em virtude da frequência e qualidade dos exercícios.
Tenho caminhado mais, tenho feito Pilates 3 vezes por semana e tenho me movimentado mais.
Eu acordava me sentindo "entrevada". Dores nas costas, nas pernas, nos braços, no pescoço. Melhor dizer: da ponta dos pés ao último fio de cabelo.
Vontade de voltar para a cama, cobrir a cabeça e chorar.
Minha reumatologista sempre diz isso: "Quanto mais movimento, melhor!"
Há algum tempo, comentei com minha instrutora sobre as dores mais frequentes e ela começou a me forçar mais em alguns movimentos.
Meu grande problema, o braço direito, está sendo pressionado a atuar, e está respondendo direitinho.
Não vou mentir: dói, dói muito, mas, à noite, principalmente, sinto o quanto está mais solto, mais fácil de posicionar.
Em consequência, tenho dormido melhor e acordado mais animada.
Andei pesquisando, e, nos sites e blogs por onde passei a conclusão é uma só: mais movimento, menos dores.
Alguns não acreditam, outros tem medo de tentar, outros ainda, não querem deixar sua zona de conforto.
Acho bom começarem, antes que seja tarde.
Bjks. Neli Alves


Comentários
1 Comentários

Um comentário :

Martha Martha disse...

Oi Neli
Sempre gostei de e execícios,os
os pratico desde 14 anos de idade.Tenho 59 anos e devido ao fato de não ser sedentária,não tenho problemas nas articulações.
Estou le do sru Bloog e adorando.
Posso comlzrtilhar em meus grupos e páginas?
Parabéns pelo seu Blogg.
Bjs